segunda-feira, junho 13, 2005

REQUIEM

Como é estranho que por estranha coincidência três dos homens que mais marcaram o Portugal resistente e depois o Portugal liberto tenham partido quase em simultâneo! O General Vasco Gonçalves, o poeta e escritor Eugénio de Andrade e o Homem que foi Álvaro Cunhal, o comunista em estado puro, como se costumava dizer, para além de pintor,e de escritor, partiram no seu tempo individual contado por relógios que tinham sido, concerteza, acertados simultâneamente. Como não lhes posso cantar um Requiem, espero que a memória destes bravos homens, todos diferentes, mas todos resistentes, perdure na nossa memória colectiva, pois, decididamente, eles marcaram as nossas vidas,embora de maneiras diferentes mas com um objectivo comum. Polémicos, amados por uns ,odiados por outros, mas certamente marcos de uma época que se fez com eles, esperançados sempre num futuro melhor para Portugal e para os portugueses!