quarta-feira, outubro 02, 2013

A NOITE

Na noite, a casa, O quarto e o menino que dorme, Os carros que passam, Rápidos correm Para destinos desconhecidos As paredes, as dimensões que se alongam O vento que sopra, a noite…imensa… Senhora de manto insone Que caminha a estende os tentáculos Pelas ruas enchendo de amplitude os sons A noite misteriosa e excitante, A noite que me encontra aqui, neste lugar Implantada no tempo e no espaço, Estou, Sou! Sou alguém à procura de alguém que se encontre para além das frinchas das persianas entreabertas. Alguem que nem é matéria nem espírito… Uma bola de fogo subindo, Imperturbável através dos milhares De estrelas que não são… As luzes de uma cidade que não vive porque foi estrangulada De trânsito e de ruidos. Alguem que foi asas e barco e mar e flores na Primavera; Que se vestiu de gelo e de Sol para estar nos Polos e nos Trópicos. Cantou e e rezando a um Deus desconhecido, inventou palavras Novas Para adornar de luz os cabelos e fez correr os rios por entre os meus Dedos, à descoberta de mundos novos. Foi a aventura da nau que navegou por mares desconhecidos e rasgou O ventre dos mares com as agulhas de tecer as ondas e enfunou as velas Com a brisa refrescante de uma corrente de polos diferentes que se tocam Porque aspiraram à proximidade… E a nau fez-se nave e ascendeu aos céus e ao terceiro dia encontrou-se na Presença do Homem Novo e ali viu que a sua descoberta tinha sido boa e chamou-lhe De AMOR E FICOU FELIZ POR TER SAIDO PARA A RUA E TER ENCONTRADO A MULTIDÃO QU VIA NELE O SALVADOR E ENCHEU-LHE COM OS AROMAS QUE TROUXE DO CÉU E ADORNOU-LHE AFRONTE COM AS FLORES QUE CRESCEM. NOS PAISES QUE ESTÃO POR DESCOBRIR PELO RESTO DA HUMANIDADE. E AO CANTAREM VELHAS BALADAS DE MARINHEIROS JULGAVAM QUE ESTAVAM A REDESCOBRIR UM MUNDO QUE TINHA SIDO PERDIDO PORQUE NÃO HAVIA PUREZA PARA O AGARRAR, E JURARAM QUE REGARIAM A FLOR MARAVILHOSA QUE HAVIAM FEIRO NASCER. E CONSTRUIRAM UMA FORTALEZA NUMA ILHA MUITO DELES E DERAM-LHE UM NOME QUE SÓ ELES CONHECIAM E JULGARAM QUE AGORA JÁ NADA PODERIA TORNAR VULNERÁVEL O SEU MUNDO. Nem a idade, nem as contrariedades, porque ali o tempo e o espaço tinham sido abolidos. Que eles inventaram. Eram, ao mesmo tempo, reis e mendigos Eram, por si só o princípio e o fim. E agora que subitamente pestanejo, olho à minha volta e descubro que não cheguei a sair do meu quarto e do meu menino estar a dormir e de ser noite, noite, noite e dos carros que passam, rápidos e das dimensões das paredes que se alongam… Noite, noite…noite… Estou cansada! Vou dormir… DAD 17/7/78 E o ar ganhou as fragâncrias que eles quiseram e tudo se cobriu das cores

NOITE

domingo, setembro 22, 2013